EN

EN

Processo seletivo ineficaz: saiba quais são os erros mais comuns

Feb 3, 2022

Feb 3, 2022

Processo seletivo ineficaz: saiba quais são os erros mais comuns

Quer melhorar o processo de seleção da sua empresa? Veja os erros mais comuns e como evitar um processo seletivo ineficiente.

Quer melhorar o processo de seleção da sua empresa? Veja os erros mais comuns e como evitar um processo seletivo ineficiente.

Nem sempre a equipe de RH vai ter tempo suficiente para conseguir se organizar e planejar o processo de seleção de pessoas da melhor maneira possível, então, é comum que os recrutadores cometam algum erro no processo seletivo.Continue a leitura para saber os erros mais comuns desse processo e como evitar ter um processo seletivo ineficiente!

Não ter objetivos claros

O primeiro erro que resulta em um processo seletivo ineficiente é quando os recrutadores e a equipe de RH no geral não têm bem definidos suas metas e seus objetivos para a empresa. As metas e objetivos, além de bem determinados, devem ser de fácil compreensão, para evitar confusões.O certo a se fazer é analisar e definir quais são as necessidades presentes e futuras da empresa e o que ela espera do novo contratado. Faça um desenho dos cargos para te ajudar a definir ainda mais essas necessidades. O documento normalmente contém:

  • Perfil profissional do cargo;

  • Competências desejadas;

  • Atribuições e responsabilidades;

  • Horários, benefícios e remuneração.

Não investir na descrição da vaga

Outro deslize que também é um erro comum e resulta em um processo seletivo ineficiente é uma má divulgação da vaga, sem uma descrição detalhada, que especifique exatamente o tipo de candidato que é necessário para aquela vaga.Uma descrição ineficiente, nesse caso, se configura quando:

  • As empresas postam o anúncio da vaga com uma descrição extremamente geral, sem nenhuma especificação. Isso faz com que qualquer pessoa se candidate, mesmo não tendo as qualidades ideias para o cargo;

  • Ou ainda quando a empresa especifica demais e ninguém consegue se sentir qualificado o suficiente para se candidatar. Assim, a quantidade de currículos recebidos também cai. 

Não estudar perfil comportamental

Não mapear o perfil comportamental do candidato é outro erro no processo seletivo. Além do currículo do possível colaborador, é importante conhecer seu perfil comportamental, para identificar se ele é compatível com as necessidades da empresa.Assim, se não houver esse estudo do perfil do candidato, o processo seletivo ineficiente pode acontecer, já que a adaptação, motivação e produção do novo contratado será prejudicada.

Fazer um processo demorado

Outro indício de um processo seletivo ineficiente é quando ele se prolonga muito e há demora para dar retorno ao candidato. Além disso, é importante prestar atenção em não se estender demais, porque esse é um erro no processo seletivo que acaba gastando mais dinheiro da empresa desnecessariamente.A média de um processo seletivo no estado de São Paulo, por exemplo, fica em torno de 40 dias corridos, segundo dados internos da Robert Half. O problema disso é que quando passa dos 30 dias, o candidato que poderia ser a escolha perfeita já pode ter sido abordado por outra organização, recebido outra proposta e até desistido de considerar a sua empresa como opção, justamente por achar burocrática demais.

Não usar tecnologia

A tecnologia é sua aliada na hora de evitar o processo seletivo ineficiente. O seu processo seletivo deve ser otimizado com ferramentas que facilitam a seleção dos melhores talentos. Outro grande erro no processo seletivo é subestimar e não utilizar, por exemplo, plataformas de gestão de RH, sites que armazenam currículos ou ainda banco de dados de empresas especializadas, que utilizam filtros especiais e avançados para a escolha dos funcionários.Tecnologias como a inteligência artificial também podem ser aplicadas na triagem de currículos e ainda no mapeamento de perfil. Assim, fica mais simples analisar os profissionais que se candidataram para o cargo, evitando um processo seletivo ineficiente.

Acreditar somente no currículo

Para dar continuidade à nossa lista, há outro erro no processo seletivo que pode parecer bobo, mas é bem comum: acreditar somente no currículo do candidato, cegamente.O processo seletivo ineficiente, nesse caso, acontece quando o recrutador não realiza as devidas avaliações técnicas ou não entende bem a vaga que está disponível para fazer as perguntas necessárias ao candidato.Não pule fases só para fazer o processo correr mais rápido. Faça o que for necessário para validar as informações que o candidato colocou em seu currículo.

Como evitar erros no processo seletivo?

Na ordem da nossa lista anterior, as soluções para evitar esses erros são:

  1. Definir bem as metas e objetivos da empresa é o primeiro passo para se livrar do processo seletivo ineficiente;

  2. Divulgar a vaga com equilíbrio, mas com todas as informações necessárias (nem descrever demais, nem escrever pouco); 

  3. Mapeie o perfil comportamental do candidato, outros fatores, como o comportamento, são tão importantes quanto o que está escrito no currículo;

  4. Faça um processo seletivo rápido, diminua o tempo entre uma entrevista e outra na hora de escolher um candidato e sempre mantenha a comunicação clara; 

  5. Use e abuse das tecnologias que facilitam a seleção dos melhores profissionais;

  6. Faça todos os testes necessários para confirmar a veracidade das informações que o candidato colocou em seu currículo.

Além disso, é necessário que todos os participantes, principalmente os responsáveis por tomarem as decisões, estejam totalmente alinhados desde o começo do recrutamento.Para afastar o processo seletivo ineficiente da sua empresa, sempre procure dar um feedback aos candidatos, mesmo que não tenham passado para a próxima etapa.Ter uma cultura organizacional clara e bem definida na empresa também é uma dica de ouro, afinal, todas as pessoas têm ideias, visões de mundo e interesses diferentes. Quando se trata desses aspectos de inspiração e confiança humana, a empresa deve mostrar uma posição no mercado, o que evita, mais uma vez, o processo seletivo ineficiente.